Vamos investirá R$ 1 bilhão em veículos em 2020

Vamos, investirá cerca de R$ 1 bilhão em novos veículos ao longo de 2020. A informação foi revelada pelo CEO da empresa, Gustavo Couto, em entrevista exclusiva ao Estradão. A companhia,da área de locação e venda de caminhões, máquinas e equipamentos, faz parte do Grupo Simpar (ex-JSL). De acordo com o executivo, o setor de aluguel de caminhões ainda engatinha no Brasil. Menos de 1% da frota, de 3,3 milhões de caminhões, é alugada. Esse cenário começa a mudar, ainda que de forma lenta. E a Vamos desponta como uma das molas propulsoras dessa transformação.

A empresa fechou recentemente a compra de 1.350 caminhões da Volkswagen. De acordo com Couto, esses veículos serão utilizados em diversos tipos de operação. As principais estão ligadas aos setores de e-commerce e entregas urbanas. A Vamos comprará um novo lote de caminhões para atender clientes do ramo de agronegócio.

Com quatro anos de existência e uma frota de 13 mil equipamentos para locação, a Vamos tem 500 contratos ativos. Desse total, 200 foram assinados ao longo de 2020. A demanda que, segundo Ramos, está em expansão, é resultado do aquecimento em setores como agronegócio e logística. Outro segmento importante é o de empresas que atuam em serviços essenciais, como fornecimento de energia e coleta de resíduos.

Esse cenário foi decisivo para a definição dos investimentos de até R$ 1 bilhão que a Vamos fará na compra de novos veículos em 2020. Esses recursos representam alta de 37% em relação aos R$ 730 milhões investidos pela empresa em 2019. “Somente nos primeiros seis meses deste ano, chegamos a R$ 800 milhões”, afirma o executivo.

Expansão dos negócios

A expressiva compra de 1.350 caminhões da VWCO indica que a locação de caminhões está em alta…
Percebemos que o mercado de locação de caminhões se tornou uma tendência. Em quatro anos, dobramos o volume de equipamentos alugados. O que vem acontecendo agora é que o aluguel de caminhões está se tornando uma alternativa mais atrativa para quem precisa renovar a frota. E isso vem ocorrendo de maneira cada vez mais forte. A Vamos nasceu justamente por causa dessa cultura que está se desenhando no Brasil. A JSL já alugava caminhões desde a década de 1990, mas, em 2015, seus gestores perceberam que era preciso haver um braço de negócio com foco no aluguel de caminhões, máquinas e equipamentos.

O Senhor pode adiantar se haverá novas compras de caminhões neste ano? Se sim, de qual fabricante?
Faremos mais aquisições expressivas ao longo de 2020. Em breve, vamos anunciar uma outra grande encomenda. A demanda vem do agronegócio. Ainda não podemos revelar de qual montadora iremos comprar.

Diversidade de opções

Os 1.350 novos caminhões Volkswagen serão utilizados em quais operações?
Os 20 modelos diferentes terão aplicações diversas. Entre elas destaco o e-commerce e as entregas urbanas de menor porte. Também compramos cavalos-mecânicos para uso rodoviários. Essa grande compra foi feita para atender empresas de logística que, atualmente, representam 20% de todas as locações feitas pela Vamos.

R$ 1 bilhão em novos caminhões

Como tem sido a evolução do mercado de locação?
A melhor maneira de mensurar isso é contar que em 2016 tínhamos um pouco mais de 6 mil equipamentos alugados. Atualmente, são 13 mil. E 80% desse total corresponde a caminhões. O restante (20%) são máquinas e equipamentos. Outro exemplo é que em 2019 investimos R$ 730 milhões na compra de novos veículos. A alta em relação a 2018 foi de  70%. E, apenas nos primeiros seis meses de 2020, investimos R$ 800 milhões. Esse supera o investimento feito no ano passado inteiro. Tudo indica que, até o fim deste ano, aplicaremos RS 1 bilhão na aquisição de veículos e equipamentos. A compra dos 1.350 caminhões da Volkswagen faz parte desse volume de recursos.

Qual é o tamanho atual do mercado de locação de caminhões no Brasil?
No Brasil, menos de 1% da atual frota de caminhões (3,3 milhões de veículos) corresponde a veículos alugados. A Vamos detém 80% desse mercado. Por isso, posso afirmar que atualmente os veículos são alugados por grandes empresas.

Empresa tem 500 contratos ativos

Com o avanço do novo coronavírus a demanda por contratos de locação foi prejudicada?
Nossa carteira já ultrapassou os 500 contratos. Em 2020, houve um crescimento bastante acelerado da procura em setores da economia que, até então, não tinham o hábito de alugar caminhões. Isso mostra as possibilidades de diversificação dos negócios e uma tendência de alta do segmento.

Segmentos em expansão

Quais são os setores mais representativos para o negócio da Vamos?
O maior é o do agronegócio, que utiliza 40% da nossa frota. Depois disso, há uma participação muito forte de setores de logística de transporte que demandam 20% da frota. Este é o segmento que mais cresceu. As empresas do segmento começaram a perceber que para trabalhar na operação não precisam ser donas do caminhão. Os gestores sabem que, para ter uma frota otimizada, mais eficiente e moderna, podem locar. Não precisam comprar. Outro segmento que vem crescendo bastante é o de utilidades e serviços. O setor demanda 15% da nossa frota. São veículos utilizados na manutenção de redes elétricas e de telefonia, por exemplo. Em seguida vêm o varejo têxtil e o alimentício.

Quais setores deverão demandar mais veículos da Vamos em 2020?
Não tenho dúvida nenhuma que a maior demanda virá das áreas de logística, transporte e serviços. Isso se deve a uma mudança de cultura. Em ambientes desfavoráveis, como agora, cada vez mais as pessoas precisam parar e rever seus modelos mentais. O executivo começa a repensar as suas verdades e percebe que alugar é mais barato que comprar.

Vamos prioriza manutenção preventiva

Quais serviços são oferecidos juntamente com a locação?
O mais importante é a manutenção da frota. Temos 2.200 oficinas no Brasil para atender nossos clientes e oferecer uma cobertura completa. Mais de 95% das intervenções feitas na nossa frota é preventiva e feita no prazo correto. Por isso, podemos oferecer sempre a disponibilidade do veículo. É um dos motivos que faz crescer a demanda junto aos setores de serviços essenciais, como telefonia e energia elétrica. Também oferecemos rastreamento para melhorar a eficiência da frota e proporcionar segurança aos clientes e seus colaboradores.

O que é o serviço de desmobilização de frota?
Esse é um serviço que vem se destacando bastante. Envolve clientes que têm frota própria e precisam renová-las. Mas, em vez de comprarem novos veículos, eles se desfazem dos que têm e alugam da Vamos. Ele não precisa se preocupar em lidar com a negociação de venda. Nós compramos os veículo, o que rende uma boa receita para o vendedor, e depois os oferecemos em nossa rede de lojas de seminovos.

Desmobilização de frota

A desmobilização de frota é uma tendência?
Os números desse tipo de operação têm avançado. Há casos emblemáticos, como uma negociação em que adquirimos mais de 200 caminhões de um único cliente. A empresa precisava renovar a frota e optou por alugar veículos novos. Com isso, passou a operar com caminhões novos e ainda conseguiu se livrar das dívidas do financiamento.

Como está a demanda da venda de ativos de seminovos da Vamos para pequenos transportadores?
O mercado de secundários também está bastante aquecido. Principalmente nesse momento em que faltam caminhões. As montadoras precisaram restringir a produção (por causa da quarentena) e com isso a demanda começou a se aquecer.

Vendas mensais de R$ 15 milhões

As vendas de seminovos estão tão aquecidas como com os negócios de locação?
O grupo como um todo vem operando com volume recorde de vendas nos últimos quatro meses. E, nos últimos três meses, a média mensal de vendas foi de R$ 30 milhões. As vendas feitas pela Vamos representam metade disso.

Parte disso é resultado do movimento de transportadoras que se desfazem da frota própria para passar a alugar?
Exatamente.

 

Fonte: https://estradao.estadao.com.br/caminhoes/vamos-comprara-mais-1-000-caminhoes/