Máquinas agrícolas ajudam o Brasil a suprir demanda global de alimentos

Compartilhar:

A contribuição do agronegócio brasileiro no fornecimento de alimentos para a sociedade brasileira e para o mundo ganha cada vez mais representatividade, pois a participação do país no mercado mundial de alimentos saltou de 20,6 bilhões de dólares para cerca de 100 bilhões de dólares apenas nos últimos dez anos, segundo recente estudo desenvolvido pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

Em termos de população, segundo a Embrapa, a produção agrícola nacional alimenta cerca de 10% das pessoas do mundo, ou seja, cerca de 800 milhões de pessoas: o que corresponde, aproximadamente, à população de todos os países da América do Sul e os Estados Unidos. Já os países que mais compram do agro brasileiro, segundo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), são China, Japão, Países Baixos, EUA, Irã e outros.

 

Alta produtividade agrícola  

 A posição de destaque do agronegócio brasileiro também é reconhecida fora do país, pois, segundo um estudo recente do Economic Research Service, órgão do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), o Brasil tem liderado a produtividade agropecuária mundial entre 187 países desde 2020. Porém, para manter os altos índices de produção, o setor conta com o uso de máquinas modernas e equipamentos tecnológicos capazes de operar para suprir essa demanda que ultrapassa fronteiras.

 Principais etapas da produção

Embora tenha processos distintos de acordo com cada cultura, algumas etapas para a produção de culturas são de necessidade geral, como no caso do solo, que precisa ser descompactado e depois corrigido com calcário ou fertilizantes para manter sua saúde.

Com o solo já preparado, vem a etapa do plantio, no qual espaços são abertos para que as sementes ou mudas sejam plantadas. Nesse caso, as plantadoras, que foram desenvolvidas para garantir o aumento da produtividade, são utilizadas no plantio, pois atuam diretamente na dosagem e distribuição das culturas, reduzindo de forma significativa o esforço braçal e o tempo para o plantio.

Após a irrigação, que é necessária para o desenvolvimento da cultura, vem a pulverização, que visa controlar e combater pragas que possam prejudicar a plantação. Nessa etapa, o desempenho do pulverizador na terra assegura maior deposição de gotas e precisão na distribuição dos defensivos agrícolas, garantindo que sejam distribuídos de modo uniforme sobre a plantação.

Já a colheita, pode variar de acordo com o tipo de produção. No caso de grãos, como soja, milho, arroz, café, trigo e feijão, que são alguns dos principais produzidos no Brasil, a colheitadeira de grão, com sistema desenvolvido especificamente para proporcionar bons resultados sob qualquer condição, é utilizada para automatizar essa etapa. No caso da cana-de-açúcar, a colhedora de cana de cana-de-açúcar é o que assegura a mecanização, capaz de manter a alta produtividade para suprir a demanda da alimentação e da matéria-prima de inúmeros produtos, como o etanol brasileiro.

 

Investimento em máquinas agrícolas

Hoje não é necessário dispor ou remanejar recursos de outras áreas para ter à disposição o mais moderno maquinário agrícola para otimizar as etapas de produção. Com um plano de locação, como o Vamos Mais Longe, o locatário elimina gastos como documentação, manutenção, depreciação e outros custos que representam até 30% de economia ao negócio. Conheça nossa linha agro clicando aqui e veja também os detalhes dos planos de serviços que podem facilitar a gestão.

Recentemente, mostramos aqui no blog como o aumento da procura por máquinas agrícolas é sustentado pela locação, já conferiu? Para continuar acompanhando as melhores dicas e informações, curta a nossa página no Facebook e no Instagram. Estamos no LinkedIn, nos acompanhe por lá também!

 

 

Compartilhar: